Hidroanel Metropolitano de São Paulo

Hidroanel Metropolitano de São Paulo

23 de novembro de 2018

ARTICULAÇÃO ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA DOS ESTUDOS DE PRÉ-VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL

O Governo do Estado de São Paulo licitou em 2009 o Estudo de Pré-Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental do Hidroanel Metropolitano de São Paulo, através do Departamento Hidroviário da Secretaria Estadual de Logística e Transportes (Licitação No DH-008/2009).

A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, através do Grupo Metrópole Fluvial, realizou em 2011 a articulação arquitetônica e urbanística deste Estudo.

O PROJETO

O Hidroanel Metropolitano de São Paulo é uma rede de vias navegáveis composta pelos rios Tietê e Pinheiros, represas Billings e Taiaçupeba, além de um canal artificial ligando essas represas, totalizando 170km de hidrovias urbanas.

O projeto desenvolvido pela FAU USP se baseia no conceito de uso múltiplo das águas, estabelecido na Política Nacional de Recursos Hídricos, que considera as águas um bem público e um recurso natural limitado, cujo uso deve ser racionalizado e diversificado de maneira a permitir seu acesso a todos. Esta Política prevê o transporte hidroviário na utilização integrada dos recursos hídricos, visando um desenvolvimento urbano sustentável.

Ao transformar os principais rios da cidade em hidrovias, e considerando também suas margens como espaço público principal da metrópole, o caráter público das águas de São Paulo é reforçado. Dessa forma, os rios urbanos se colocam como vias para transporte de cargas e passageiros, uso turístico e de lazer, além de contribuir para a regularização da macrodrenagem urbana. Criam-se, assim, áreas funcionais e lúdicas para a população.

O projeto do Hidroanel também está alinhado às diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, que tem entre seus objetivos contribuir para o acesso universal à cidade e mitigar custos ambientais, sociais e econômicos dos deslocamentos de pessoas e bens. Intimamente relacionados com o desenvolvimento urbano e bem estar social, os bens deslocados na cidade são compreendidos no Estudo de Pré-viabilidade do Hidroanel como sendo as cargas públicas e comerciais que transitam no meio urbano.

As cargas públicas consideradas neste estudo são sedimentos de dragagem de canais e lagos; lodo de ETEs e ETAs; lixo urbano; entulho; terra – solo e rocha de escavação. Segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos, a gestão integrada destas cargas é de responsabilidade do poder público. Estas devem ser, além de coletadas e transportadas, triadas e enviadas à destinos ambientalmente adequados. Esta política é orientada sob os conceitos de Logística Reversa, instrumento de desenvolvimento econômico e social, caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios, destinado a facilitar a coleta e restituição dos resíduos sólidos a empreendimentos de cunho público ou privado. Dessa forma, os resíduos podem ser reaproveitados no ciclo de fabricação de novos produtos, na forma de insumos, visando a redução e não geração de rejeitos ou incineração.

CONCEITOS NORTEADORES

  1. reestabelecer os rios urbanos como principais eixos estruturadores das cidades, com parques, praças e bulevares fluviais às suas margens.

  2. consolidação de um território com qualidade ambiental urbana nas orlas fluviais, que comporte infraestrutura, equipamentos públicos e habitação social.

  3. navegação fluvial urbana: portos de origem e destino inseridos na área urbana.

  4. navegação fluvial em canais estreitos e rasos em águas restritas (confinadas entre barreiras artificiais).

  5. transporte fluvial urbano de cargas públicas.

  6. logística reversa: reinserção no mercado dos resíduos sólidos transformados em matéria prima.

CARGAS FLUVIAIS

Públicas

  • Sedimentos de dragagem de canais e lagos (carga pública pioneira)
  • lodo das ETEs e ETAs
  • lixo urbano
  • entulho
  • terra: solos e rochas de escavações

 

Comerciais

  • resíduos sólidos reversíveis comercializáveis, processados nos Tri-portos (carga comercial pioneira)
  • insumos para construção civil
  • hortifrutigranjeiros

 

PORTOS

Origem: draga-portos, lodo-portos, trans-portos e eco-portos
Destino: tri-portos
Passageiros: turismo, travessias lacustres em represas

NÚMEROS

170 Km de Extensão
20 Eclusas
3 Subsistemas
3 Tri-portos
14 Trans-portos
60 Eco-portos
36 Draga-portos
4 Lodo-portos
24 Portos passageiros

 

Fonte:  http://www.metropolefluvial.fau.usp.br/hidroanel.php#